Federação de Futebol do Espírito Santo

  • Esporte Clube Tupy
  • escudo_aracruz
  • C.E.R.A.A. São Mateus
  • Vitória F. C.
  • Linhares F. C.
  • doze-futebol-clube_big
  • porto-vitoria-f-c_big
  • Espírito Santo FC
  • Real Noroeste F.C.
  • Rio Branco Atlético Clube
  • Sociedade Desportiva Serra F.C.
  • Estrela do Norte F. C.
  • Desportiva Ferroviária
  • atletico_es
  • Grêmio Esportivo Laranjeiras
  • Espírito Santo Sociedade Esportiva
  • Vilavelhense F.C.
  • RIO BRANCO FC

Rio Branco Atlético Clube

Estrutura

Estádio: conquista árdua e demorada

É comum dizerem que o Rio Branco nasceu em Jucutuquara, mas o correto é que o Rio Branco cresceu em Jucutuquara. A sua fundação ocorreu no Centro de Vitória, especificamente na Rua Sete de Setembro. Mas, certamente, o clube teve toda a sua vida ligada a Jucutuquara.

No início, as partidas do clube eram disputadas em campos existentes em áreas descobertas, usando bolas de meia ou enchendo bexigas de boi. Em Jucutuquara, havia uma grande área usada para represamento das águas da maré, que, na secagem, produzia sal. Era a ‘salina”. Abandonada por longo tempo, transformou-se em um terreno reto, sem gramas, mas excelente para as ‘peladas’. Mas, o local era utilizado pelos meninos do bairro.

Com poucas, ou quase nenhuma opção, os meninos do Juventude e Vigor foram parar no Bairro de Lourdes, em área utilizada pelo ‘Tiro de Guerra”, do Exército Brasileiro. A utilização durou pouco. A turma do Victória fez valer seu prestígio, recorrendo ao Barão de Monjardim. O Barão não só impediu a utilização da área pelo Juventude e Vigor, como ainda cedeu o terreno para o Victória.

O clube passou então a treinar em Vila Velha, em área então pertencente a família Araújo, identificado como campo do Bom Retiro (local identificado, na década de 90, como vizinha à Maternidade). Mas, logo após, ainda em 1916, segundo Antônio Miguez, o Juventude e Vigor decidiu ocupar, efetivamente, o campo de Jucutuquara. Foi necessário realizar um aterro, trabalho facilitado em face da localização do terreno, ao pé do morro (um aterro ‘natural’, com deslocamento de terra do morro). Arrancaram ‘tocos’, aterraram e a ‘salina’ ficou maior.

Foi erguido, no local, o campo de jogo, separado dos torcedores por uma cerca de arame liso. A área ainda não agradava aos fundadores. Afinal, o Victória já tinha um campo, cercado com folhas de zinco e local para torcedores (degraus de madeira cobertos, batizados de ‘arquibancadas’). O Rio Branco precisava melhorar suas instalações, não podia admitir aquela situação.

O jornal “Diário da Manhã”, em sua edição de 28 de Setembro de 1915, anunciava que o então presidente, Otávio Araújo, apresentara a planta do esplêndido campo de ‘sports’ que seria, depois de pronto, um dos melhores do Brasil. Esta informação também foi matéria de outro periódico, o “O Curioso”, datado de 12 de Setembro.

Assim, com o esforço dos ‘meninos’, o Rio Branco inaugurou em 1919 o “Estádio de Zinco”, que a imprensa da época chamava, orgulhosamente, de “O Majestoso Ground de Jucutuquara”. A inauguração foi contra o Fluminense, de Niterói, na época um dos grandes clubes do Rio de Janeiro e reforçado de vários atletas do tricolor Fluminense e de outros times do Rio. A partida de inauguração terminou empatada em 2 x 2.

O Estádio de Zinco era um marco. Todos os times do Estado queriam jogar naquele ‘campo’. Em 1929, a equipe do Flamengo, já uma equipe grande e popular em todo o país se apresentou no Estádio. E o Rio Branco não perdoou, vitória de 2 x 1 para os capa-pretas.

Mesmo ocupando a área desde 1916, o Rio Branco não era o legítimo possuidor da mesma. A área ficava sob a administração da Liga de Esportes. Somente em 1934, depois de vencer uma batalha contra dirigentes do Victoria, que quase conseguiram que o Estado lhes doasse a área, o então Presidente Carlos Marciano de Medeiros, o Capitão Carlito Medeiros, conseguiu que o Interventor Federal do Estado, Capitão João Punaro Bley, realizasse a doação ao Rio Branco, por meio do Decreto 4.969, publicado no Diário Oficial em 24 de Junho de 1934.

O Rio Branco cresceu. O time alvinegro já se tornara um patrimônio do Espírito Santo e o Estádio de Zinco estava pequeno e obsoleto. Os dirigentes rio-branquenses não se omitiram, tomando a responsabilidade de construir o novo Estádio. Partiu-se para a construção do Estádio Governador Bley (foto abaixo).

Ao ser inaugurado, em 30 de Maio de 1936, o Estádio Governador Bley era o 3º maior do país, símbolo da grandeza do clube, do desenvolvimento de Vitória e um orgulho para o povo capixaba (à época, apenas dois estádios o superavam, São Januário, do Vasco da Gama, e o Estádio da Laranjeiras, do Fluminense, ambos no Rio de Janeiro, então a Capital Federal). No dia seguinte, 31 de Maio de 1936, a torcida capa-preta lotou todas as dependências para assisitr a primeira partida no local, entre Rio Branco e a forte equipe do Fluminense. Desta vez, não deu para o Brancão, o Fluminense ganhou por 2 x 0.

Mas, com a construção do Estádio, o clube entrou em sérias dificuldades financeiras. Com as contratações de jogadores de outros Estados, e seus altos salários, o Rio Branco ganhava quase tudo, diminuia o interesse das torcidas, tamanha a superioridade do clube, ocasionando rendas menores e aprofundamento da crise. As dívidas foram se tornando insolúveis.

E o Decreto de doação deixava explícito: “… se o clube ficar em condições de não solver os compromissos contraídos para a construção do Estádio, o terreno e as benfeitorias nele existentes deverão reverter à propriedade do Estado, que a seu turno, responderá por todos os débitos existentes”. A situação complicou ainda mais em 1937, quando o Presidente Carlito Medeiros rompeu com a ‘situação’ governista local.

Em Março de 1939, foi anunciado o fechamento do Estádio. Em 22 de Abril de 1939, o Estádio reabriu e, a partir de então, também era a sede oficial do Serviço de Educação Física do Governo do Espírito Santo. O Rio Branco perdia o domínio da praça esportiva de Jucutuquara, que administrada pelo Estado, serviria a todos os clubes.

Uma curiosidade é que o Estado, conforme previa o Decreto, não honrou as dívidas com os colaboradores riobranquenses. Segundo Oscar Fomes Filho, apenas alguns dirigentes ligados ao Victória é que receberam seus créditos.

O clube afundado em dívidas e sem Estádio praticamente acabou. Em 23 de Dezembro de 1939, sob o comando de Laonte de Lima Soares, vários dirigentes se reuniram e fundaram o Riobranquinho Futebol Clube. O nome era diminutivo, mas a chama de idealismo de seus dirigentes, na conservação de sua tradição, era a mesma dos meninos fundadores do Juventude e Vigor. Mantiveram-se unidos, juntos, encobertos pelas cores preta e branca da gloriosa camisa do Rio Branco Football Club.

Ressaltando que já havia sido constituído um Riobranquinho, no início da década de 30, mas era informal e simbólico. Os atletas usavam esta denominação para jogos nas férias e em finais de temporadas, atuando e difundindo o nome do clube nos bairros de Vitória e no interior. Atuando sempre que o Rio Branco Football Club estivesse inativo, sem jogos promovidos pela Liga.

Em 08 de Março de 1941, foi eleito como Presidente do clube o Sr. Luiz Gabeira, um riobranquense das primeiras horas, que ja fora Presidente em 1930. Cumpridas as exigências legais para funcionar por breve período como Riobranquinho, restabelecida a normalidade administrativa e mantendo o time vitorioso, como fora desde a sua fundação, os dirigentes alvinegros realizaram um Assembléia Geral em 18 de Março de 1941, para deliberar sobre a criação de uma nova agremiação. Tendo como lema a frase “Tudo em benefício do Rio Branco”, criaram o RIO BRANCO ATLÉTICO CLUBE. A partir daquele momento, o clube teria, no escudo, a sigla RBAC, de memoráveis conquistas.

Apenas em 27 de Março de 1958 é que o Estádio Governador Bley voltou para o Rio Branco. A retomada do Estádio, um desejo de todos os presidentes que passaram pelo clube, teve seus capítulos finais em 1954, quando alguns deputados apresentaram Projeto de Lei autorizando o Governo a doar ao clube CR$ 300.000,00 para a construção de um Estádio no Bairro da Bomba (não foi encontrado registros de quando o Rio Branco adquiriu este terreno). O autor do projeto era o deputado Luiz de Lima Freitas, ex-presidente do clube, e contou com o forte apoio de José Buaiz, Dirceu Cardoso e Jefferson de Aguiar.

Em 1958, o deputado José Buaiz apresentou projeto prevendo a retomada do Estádio Governador Bley. O projeto de lei, relatado pelo então deputado Cristiano Dias Lopes Filho, teve aprovação unânime na Assembléia. O projeto previa que para a devolução do Estádio, o Governo do Estado deveria ser ressarcido de todos os valores que pagara aos credores do clube. O Governador da época, Francisco Lacerda de Aguiar, sancionou a Lei 1.402, em 27 de Março de 1958.

Apenas em 1960, mais precisamente no dia 21 de Novembro, tendo o Rio Branco dado como pagamento das dívidas quitadas pelo Estado o terreno da Bomba (onde hoje se situa a Rádio Espírito Santo, na avenida Reta da Penha, em frente à EMESCAM), o Estádio Governador Bley voltou a ser propriedade do Rio Branco. O valor da transação alcançou a soma de CR$ 1.800.000,00.

Em 1972, já sob a Presidência de Kleber Andrade, houve a decisão de venda Estádio Governador Bley. O Estádio foi utilizado em partidas oficiais do clube até o ano de 1974. Durante o período compreendido entre 1974 e 1983, data de inauguração do Estádio Kleber Andrade (cujo nome homenageia o ex-presidente, cujo falecimento ocorreu em 12 de Julho de 1978, em um fatídico acidente automobilístico), o Rio Branco mandava seus jogos no Estádio Engenheiro Araripe, até então de propriedade da Companhia Vale do Rio Doce, mantenedora da Associação Desportiva Ferroviária Vale do Rio Doce.

O Estádio Kleber Andrade, foto abaixo, é mais uma prova do empreendedorismo dos dirigentes do clube, tendo sido inaugurado em 1983. A primeira partida oficial no novo Estádio do Rio Branco, que ao término de suas obras seria o terceiro maior Estádio particular do país (perdendo apenas para o Morumbi e para o Beira-Rio), ocorreu em 07 de Setembro de 1983, em uma partida que o capa-preta venceu o Guarapari por 3 x 2 (três gols de Arildo Ratão).

Infelizmente, o período de utilização do Estádio Kleber Andrade coincidiu com um período de muitas dificuldades financeiras e administrativas do clube, algumas causadas inclusive pelos elevados investimentos realizados nesta Praça Esportiva. Desde a sua inauguração, o clube conquistou apenas dois títulos estaduais da 1ª divisão (1983 e 1985), entrou em colapso financeiro, desistiu de participar de um campeonato oficial, voltou em 2005, e seguindo as normas vigentes da atual legislação esportiva, voltou disputando a 2ª divisão, cujo título conquistou, neste período sob a Presidência do médico Paulo Sérgio Marangoni e utilizando a equipe e a comissão técnica emprestadas pelo Vilavelhense.

O elevado passivo fiscal, trabalhista e cível levou a uma situação irreversível. A antiga sede administrativa e social, localizada na Ilha de Santa Maria, foi desapropriada pelo Governo do Estado no ano de 2003. O clube ainda luta na Justiça para reaver o direito aos valores referentes a area, tendo em vista um processo de permuta ilegal e imoral promovido pelos Dirigentes da época. Em 2008, visando concluir as obras e dotar o Espírito Santo de uma moderna arena esportiva, o Governo do Estado também desapropriou o Estádio Kleber Andrade (pelo valor de R$ 6.800.000,00), com os recursos ficando bloqueados para o pagamento das dívidas do clube. As negociações para pagamento das dívidas estão em curso e, no final de 2009, restavam poucos processos a serem solucionados.

O Maior Patrimônio

Depois uma série de administrações que não conseguiram resolver completamente os problemas do clube, restou ao Rio Branco, como patrimônio físico, uma área de aproximadamente 60.000m² localizada em Portal de Jacaraípe (Serra – ES). E, obviamente, o clube não perdeu o seu maior patrimônio: a sua imensa e apaixonada torcida, a TORCIDA CAPA-PRETA.

Ficha Técnica

INFORMAÇÕES GERAiS

Fundado em: 21 de junho de 1913

Endereço: Rua Barão de Mauá, 181, Terceiro Pavimento, Jucutuquara – Vitória ES
CEP: 29.040-860

Grupo Gestor

Presidente: César Franklin Costa
Diretor Administrativo: Marcos Wagner Jesus Servare Junior
Diretor de Marketing: Luciano Fernandes Mendonça
Diretor Financeiro: Sérgio Luiz Lugon Grecco
Secretário Geral: Lucas Negrelli Nicolini
Presidente do Conselho Deliberativo: Antonio Luiz Rosa
Vice-Presidente do Conselho Deliberativo: Bruno Mian Carlos Lima
Presidente do Conselho Fiscal: Felipe Zamperlini Boff

Contato

Tel: 27 3315-7393 / 98834-5895
Secretaria: secretaria@rbac.esp.br

Mídias Sociais
Facebook: www.facebook.com/riobrancoatleticoclube
Instaram: www.instagram.com/riobrancoes/
Twitter: twitter.com/riobrancoes
www.rbac.esp.br
Sócio Torcedor
www.souriobranco.com.br

Imprensa
Telefone: 27 9.97857697 (Rafael Gomes)
E-mail: imprensa@rbac.com.br

Filiada

  • FIFA 2
  • CBF

Outros Patrocínios e Parceiros

  • Secretaria de Esporte e Lazer do ES
  • LOGO KAGIVA 2
  • Icone cópia
  • Banestes
FES - Federação de Futebol do Estado do Espírito Santo Segunda a sexta-feira das 13 às 19h Telefax:(27) 3038-7800
Comissão de Arbitragem Segunda a sexta-feira das 14 às 20h Telefax: (27) 3038-7816
Tribunal de Justiça Desportiva/ES Segunda a sexta-feira das 13 às 19h Telefax: (27) 3038-7815